Notícias Areado

Bloqueio de verba anunciado pelo MEC deve impactar 27 mil estudantes do IF Sul de Minas

Alunos dos oito campi do IF Sul de Minas temem cortes em benefícios e projetos de pesquisa na região.

Publicado em 07/05/2019
Por G1 Sul de Minas

Os 27 mil estudantes dos oito campi do Instituto Federal do Sul de Minas ainda tentam avaliar os impactos do corte de R$ 16 milhões do orçamento anual, após o bloqueio do Ministério da Educação (MEC) de 30% na verba de instituições federais. No IF, o bloqueio representa um valor ainda maior - quase 40% do orçamento.

Ao todo, as unidades do Instituto Federal do Sul de Minas custam ao Governo Federal mais de R$ 41 milhões. Segundo a reitoria, a redução terá impacto direto na manutenção dos campi e serviços aos alunos.

Em Machado (MG), são cerca de dois mil alunos circulando por dia. Nos corredores, o clima é de preocupação.

“Vou ter que acabar abandonando o curso, trancando, ou pedindo transferência para algum lugar mais perto da cidade”, explica a estudante Giovana Ota.

Bloqueio de verbas devem impactar 27 mil estudantes do IF Sul de Minas — Foto: Reprodução/EPTV

Bloqueio de verbas devem impactar 27 mil estudantes do IF Sul de Minas — Foto: Reprodução/EPTV

“Desde 2015, medicina veterinária, não consegui. Passei ano passado aqui pelo Enem e quando a gente consegue, a gente vê que o sonho da gente vai por água abaixo, depois desse corte de verbas. A gente entra em desespero, entra em colapso”, desabafa a estudante Larissa Tavares.

Larrisa, além de estudar, é voluntária no museu de ciências naturais do IF. Essa é a mesma realidade dos alunos da fazenda escola, onde produzem parte da carne e do leite que são servidos no instituto.

“Vai diminuir a qualidade, não vai ter tanto investimento na pesquisa, no desenvolvimento. Com o tempo, vai deixar de ser uma coisa nessa proporção que tem”, explica o estudante Gabriel Miranda.

Estudantes temem corte de verba do Governo Federal ao IF Sul de Minas — Foto: Reprodução/EPTV

Estudantes temem corte de verba do Governo Federal ao IF Sul de Minas — Foto: Reprodução/EPTV

Falta de verbas

 

Desde 2018, não há reajuste em uma parte da verba do IF. É o setor de assistência para os estudantes, que inclui ajuda de custo para moradia e alimentação a quem vem de outros lugares. O valor foi mantido em pouco mais de R$ 12 milhões para o Instituto Federal do Sul de Minas.

No campus Machado, 850 pessoas utilizam o refeitório todos os dias, onde são preparadas quatro refeições diárias. 350 alunos vivem nos alojamentos. Os estudantes temem que os benefícios sejam cortados com o anúncio do corte de verbas.

“Por exemplo, zootecnia vai ter que cortar a alimentação dos animais. Então está envolvendo muito mais do que uma alimentação nossa”, conta a estudante Érica Fátima de Oliveira.

 

“A gente não tem esperança nenhuma porque a gente ainda tem a pressão pra poder passar na faculdade e além disso ainda essa preocupação se vai ter um futuro pra gente seguir”, explica a estudante Ana Beatriz Sousa.

 

Sobre o serviço terceirizado, responsável por funcionários em setores como limpeza e alimentação, o futuro está indefinido. Será feita uma avaliação das áreas terceirizadas e da quantidade de funcionários para entender o impacto com o corte.

A previsão é que a instituições tenham uma reunião com o Ministério da Educação na sexta-feira (10) para tentar reverter o bloqueio nas verbas.

Vários setores do IF Sul de Minas devem sentir impacto de corte de verbas — Foto: Reprodução/EPTV

Vários setores do IF Sul de Minas devem sentir impacto de corte de verbas — Foto: Reprodução/EPTV

O que diz o MEC

Em nota, o Ministério da Educação explicou que o critério para o corte nas universidades e institutos federais foi operacional, técnico e igual para todas as instituições. O governo tomou a decisão, segundo o MEC, para não ultrapassar a meta de gastos primários e a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do teto de gastos, aprovada no governo Temer.

O bloqueio, ainda segundo o governo, é preventivo e será feito a partir do segundo semestre para evitar que as instituições comecem obras ou realizem ações que demandem gastos fora do caixa. O governo também afirma que pode rever o bloqueio se a Reforma da Previdência for aprovada e se a economia melhorar no segundo semestre.

Fapemig

Procurada pela EPTV, afiliada da Rede Globo, a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) informou que não fez cortes, apenas suspendeu a concessão de novas bolsas de iniciação científica em 2019. Não há prazo para regularização, já que é preciso que sejam feitos repasses à instituição, que seguem sem data.